vã idade

30/05/2013

“luta retorce na queda

a mão na espada vence

castelo de caco quebra”

 

Traga o desfecho

que nada fala;

ensaca a malha

da máxima e da maravilha.

ao fim,  passa despercebido.

Reificação

31/01/2011

Com sensação de déjà vu, é visto um gato preto
Seguido de um outro em um parque
E fazem lembrar um filme e suas cenas
Mas o filme não lembrou e nem lembraria
gatos em um parque, e nem de que
sobre sementes de pêssego no chão,
encarrega-se a natureza.
Um dia diferente em meio à alienação é ver suas contradições.

(Parte do projeto Contos da memória – ainda nos 00)

Maquiagem
Seu cheiro é de creme, de perfume
ou é estrume preso na boca
Nunca vi a venda
Importada da França
Ela vai que não dorme
Pois não chegou a lenda
Nos axônios tem fenda
e verdade que não engole

Inquérito vulgar, sua necessaire, apreendida
Enquanto sua mente é ofendida

Oh, calada, por gentileza
calada, resto de amiga
cujo cérebro o álcool derreteu
E tantas palavras de poucas palavras
Torturam a tonta que escuta
Estou triste porque sou gorda
e você mais magra que eu

E diz que ama, mundana, na lama
de cana, na cama de quem te engana

Maquiagem

Seu cheiro é de creme, de perfume

ou é estrume preso na boca

Nunca vi a venda

Importada da França

Ela vai que não dorme

Pois não chegou a lenda

Nos axônios tem fenda

e verdade que não engole

 

Inquérito vulgar, sua necessaire, apreendida

Enquanto sua mente é ofendida

 

Oh, calada, por gentileza

calada, resto de amiga

cujo cérebro o álcool derreteu

E tantas palavras de poucas palavras

Torturam a tonta que escuta

Estou triste porque sou gorda

e você mais magra que eu

 

E diz que ama, mundana, na lama

de cana, na cama de quem te engana

shake your booty

26/05/2009

Na tendência
Medão tremendo
(Do you need anybody?)
I need someone to love
(Could it be anybody?)
all I need is someone, who knows just where I’m going yeah
e dizer que viver só, sem filhos e sem diversão
sem sexo e sem aborrecimento, ou com ele nos domingos na meia-idade
choca a espinha dorsal dele dela e daquele
vende mais precisar, yeah baby, vende
Ódio e otimismo. Um dia bonito e uma foda no rabo.
É bem fácil, e é quase o mesmo, ou
Pode ser mais feliz se idiota
does it taste like tequila?
Or failure?
We’re fucking you back.

Não olhes para o vinho quando apresenta uma cor vermelha, quando está cintilando no copo, escorre suavemente.
No seu fim morde igual a uma serpente e segrega veneno igual a uma víbora.
Teus próprios olhos verão coisas estranhas e teu próprio coração falará coisas perversas.

Nada demais

15/01/2009

Instantâneo, já esqueci
Do nome da banda, do artista, do instrumento,
Do selo e do ano de lançamento
Pois como eu disse ai embaixo
Há muito barulho lá fora
Que tamanha emoção sinto
Ao ouvir qualquer coisa patética
Que me lembre épocas de silêncio

E nessa Era minha
mente pensava e mentia
para mim, só para mim

you might be careful, it really hurts when it's real

you might be careful, it really hurts when it's real

13/01/2009

Matisse. La Musique.

Matisse. La Musique.

“Pensamentos racionalizantes, ora parecem grandes, ora nos coloca frente à mais medíocre das pequenezas”

Música

A famosa sinfonia externa da cidade é, toada pelos sons de veículos automotores (o que é inteiramente conhecido) e sons grotescos humanos, agraciado às vezes por meia dúzia de pios que pardais gordos proferem em dias de calor. No refúgio de um escritório qualquer, quando não interrompido pelo zunido de um telefone, divaga o som coordenado e ritmado de aparelhos de ar-condicionado. Sem fim vibram suas notas graves, baixas demais para serem percebidas e suficientes para abafar o que está fora dos muros. Janelas fechadas, sim senhor. No frio ou no calor.

O macaco enjaulado não sabe se chove, se o sol se foi ou se há umidade. O barulhinho familiar cotidiano, o zum perverso do ventilador faz-se necessário para que consiga dormir.

E viveu-se um dia.

além da Amazônia

23/06/2008

Foi-se a Amazônia. Trabalho pode ser experiência interessante. No entanto, impede perspectivas diversas. Trabalho pode fazer com que você cresça, mas, na maior parte do tempo, te afoga em um eu que certamente não é o teu mesmo. As cidades da região vivem de forma precária e isolada, mas, de algum modo, há independência ideológica de informação, ou melhor, falta de informação midiática, o que não deixa de ter seu lado positivo. Eu poderia morar lá. Quando eu cansar de verdade, vou.  Não se precisa de muito para viver.

É positivo pensar que se pode começar tudo do zero, embora se saiba que nunca se pode retornar ao zero? Este continente sempre tentou recomeçar e nunca conseguiu. É uma prática cultuada nessas bandas. Aqui, que se faça uma “coivara”. Lá, lugar virgem, a energia estava no ar.

É só voltar e ter novamente preocupações gigantes com a minha conexão banda-larga. O desmatamento fica para trás.

E agora resta a fraqueza daquele que não se adaptou ao retorno do já iniciado.

(Expressões coletivas serão bem-vindas. E, respondendo a elas: sim, o fechamento da temporada foi patético e previsível. Não me frustrou.

E: é, eu parei. Mas as razões são nobres. Interessa saber se há ou não amanhã para escrever? Como se o amanhã fosse o agora, ou como se não houvesse amanhã, isso importa? Sou uma empurradora de pensamentos; jogo-os no abismo e é tão difícil segurá-los. Escorrengam entre os dedos. Vão-se quando estou longe.

Ontem tive um forte desejo e o desejo se realizou.)


“Hey, boy, do you wanna score?”

Why don’t you take a good look at yourself and describe what you see,
And baby, do you like it?
There you sit, sitting spare like a book on a shelf rustin’
Ah, not trying to fight it.
You really don’t care if they’re coming,
I know that it’s all a state of mind.

as implicações

30/05/2008

Presente enviado por Gi

conversa incial

28/05/2008

ela diz:

o som é cacófato

ELE diz:

é que eu não acredito que a vida seja uma queda

ELE diz:

minhas xaropações religiosas, sabe?

ela diz:

como um rio

ela diz:

corre sempre para baixo

ela diz:

e a chuva

ela diz:

e o sangue menstrual

ela diz:

vai caindo

ELE diz:

ehehe

ela diz:

como seios de mulheres velhas

ELE diz:

saquei

ela diz:

e nós, quando éramos crianças, quando aprendíamos a andar

ela diz:

caíamos

ela diz:

e quando adultos, panacas que caem

ELE diz:

existe algo belo em viver a decadência natural da vida

ELE diz:

essa frase apareceu na minha cabeça depois das tetas caídas da velha

ela diz:

é evidente que há, vamos celebrar…